quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Pais poderão acompanhar filhos no bloco operatório
O Instituto de Apoio à Criança apoia esta decisão
Os pais poderão passar a acompanhar os filhos até aos 18 anos no momento da anestesia no bloco operatório e durante o recobro cirúrgico.
 
Segundo apurou a agência Lusa, este direito foi instituído num despacho do secretário de Estado da Saúde, Fernando Araújo, e também é aplicado a pessoas adultas com deficiência ou em situação de dependência.
 
Num comunicado divulgado, o Instituto de Apoio à Criança (IAC) aplaude esta medida, afirmando que vai ao encontro do que o instituto defende há 30 anos, designadamente no que respeita ao “direito à assistência médica e aos cuidados de saúde necessários e adequados às crianças”.
 
Fernando Araújo refere no despacho que “a ansiedade da criança ou jovem e da família tendem a diminuir quando existe suporte emocional no pré-operatório, sendo este importante quer por razões humanitárias e de desenvolvimento, quer porque aumenta a cooperação com a equipa de saúde, quer ainda porque reduz a angústia ao acordar e assim os problemas de comportamento no pós-operatório”.
 
O IAC apoia esta posição e sublinha que “para a criança, a hospitalização significa a separação da família, a rotura com as suas atividades diárias, doença e tratamentos, ou seja, sofrimento e dor”.
 
“Estes fatores manifestam-se de diferentes formas e podem ser geradores de ansiedade, pelo que se considera como prioritário a humanização dos serviços de atendimento à criança”, defende no comunicado.
 
Para o IAC, o “direito aos melhores cuidados é um direito fundamental para o desenvolvimento integral e harmonioso da criança”.
 
A este propósito, o instituto lembra que publicou, em 1998, a Carta da Criança Hospitalizada, que reafirma os direitos da criança hospitalizada e expressa “os princípios universalmente aceites”, como “o internamento como último recurso” ou “o acompanhamento pelos pais ou seus substitutos dia e noite”.
 
O dever de informar as crianças e os pais sobre qualquer tratamento, para os incentivar à participação, decisão e colaboração dos cuidados, e o dever da equipa de saúde responder às necessidades psicológicas e emocionais das crianças e das famílias são outros princípios expressos na carta.
 
O despacho determina que as instituições hospitalares que realizam intervenções cirúrgicas a crianças e jovens devem implementar as medidas necessárias até 31 de dezembro, para permitir o acompanhamento familiar da criança ou jovem.
 
Fonte - http://www.alert-online.com/pt/news/health-portal/pais-poderao-acompanhar-filhos-no-bloco-operatorio?utm_source=NL_NOTICIAS&utm_medium=email&utm_campaign=NL_AHP_20170828.
Uma em cada dez crianças no mundo sem vacinas em 2016
Informação divulgada pela Organização Mundial da Saúde
Uma em cada dez crianças no mundo não recebeu qualquer vacina em 2016 e arrisca-se a contrair doenças como a difteria, tétano ou tosse convulsa, segundo estimativas divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), anunciou a agência Lusa.
 
De acordo com os dados disponibilizados no sítio da instituição, serão 12,9 milhões as crianças que em todo o mundo não receberam qualquer vacina no ano passado, o que significa que falharam pelo menos a primeira dose da vacina contra a difteria, tétano e tosse convulsa (DTP), que em Portugal está integrada no Programa Nacional de Vacinação.
 
Adicionalmente, estima-se que outros 6,6 milhões de crianças que receberam a primeira dose da vacina tríplice conhecida por DTP não tenham concluído as doses necessárias para a imunização completa.
 
Em Portugal esta vacina é administrada gratuitamente aos dois meses, aos quatro meses, aos seis meses, aos 18 meses e aos cinco anos.
 
A Organização Mundial da Saúde informou que as vacinações de rotina completas estabilizaram nos 86%. Este valor está, no entanto, abaixo da meta de 90% de vacinados fixada pelas Nações Unidas.
 
“A maior parte das crianças que não está vacinada é a que escapa aos sistemas de saúde. Estas crianças provavelmente não receberam nenhum serviço básico de saúde”, afirma o diretor de imunização da OMS, Jean-Marie Okwo-Bele, numa declaração escrita no sítio da instituição.
 
De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a vacinação previne atualmente entre dois a três milhões de mortes por ano, entre doenças como a difteria, o tétano ou o sarampo.
 
Os novos dados relativos a 2016 mostram que 130 dos 194 países que pertencem à OMS alcançaram ou superaram os 90% de cobertura total da vacina da difteria, tétano e tosse convulsa.
 
Mas pelo menos mais dez milhões de crianças carecem da vacina em 64 países, se todos quiserem atingir os 90% definidos no Plano de Ação Global de Vacinação.
 
Desses dez milhões há mais de sete milhões de crianças que vivem em condições humanitárias frágeis, incluindo países afetados por conflitos. Aliás, quatro milhões dessas crianças não vacinadas pertencem a apenas três países: Afeganistão, Nigéria e Paquistão.
 
No ano passado, a OMS e a UNICEF registaram oito países com uma taxa de cobertura vacinal inferior a 50%: República Centro-Africana, Guiné Equatorial, Nigéria, Somália, Sudão do Sul, Síria, Chade e Ucrânia.
 
Em relação ao sarampo, doença que este ano teve um ressurgimento em vários países europeus, as atuais estimativas apontam para uma taxa de vacinação global de 85% na primeira dose, mas que baixa para os 64% no que se refere à segunda dose da imunização.
 
Fonte - http://www.alert-online.com/pt/news/health-portal/uma-em-cada-dez-criancas-no-mundo-sem-vacinas-em-2016?utm_source=NL_NOTICIAS&utm_medium=email&utm_campaign=NL_AHP_20170724ALERT Life Sciences Computing, S.A.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Descoberta molécula que aumenta canal de comunicação entre neurónios
Estudo publicado na “Scientific Reports”
Uma equipa de investigadores descobriu que uma molécula libertada por células estaminais aumenta o ‘canal de comunicação’ entre neurónios, anunciou a agência Lusa.
 
Num estudo desenvolvido pelo Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra (UC) e pelo Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde (ICVS) da Universidade do Minho (UM) concluiu que “uma molécula libertada por células estaminais aumenta o ‘canal de comunicação’ (axónio) entre neurónios”.
 
O resultado é “inovador porque se foca no sistema nervoso central (SNC), que tem uma capacidade de regeneração inferior à do sistema nervoso periférico, podendo vir a ser aplicado na doença de Parkinson, esclerose lateral amiotrófica ou lesões vertebro-medulares, onde o crescimento do axónio entre neurónios pode ser crucial”, explicita a UC.
 
“O estudo de neurónios do SNC de rato estimulados com o secretoma apresentaram um aumento do crescimento dos seus axónios comparativamente maior que os neurónios que não receberam qualquer estimulação”, sublinha Luís Martins, citado pela UC.
 
Foi descoberto que uma das moléculas cruciais do secretoma para o aumento dos axónios é o denominado “fator neurotrófico derivado do cérebro”.
 
Os investigadores “removeram esta molécula do secretoma aplicado nos neurónios e verificaram que o crescimento dos axónios se apresentava reduzido na sua ausência, o que significa que a sua presença contribui para este crescimento”, acrescenta a UC.
 
Ramiro de Almeida, coordenador do estudo e investigador do CNC, salienta que “o secretoma poderá ser uma alternativa ao transplante, uma vez que, contendo as moléculas responsáveis pela regeneração mediada pelas células estaminais, pode ser aplicado sem a necessidade da presença destas”.
 
“A abordagem proposta é mais fácil, acarreta menos riscos e num futuro próximo poderá permitir um controlo da composição do secretoma a aplicar ao doente consoante as suas necessidades personalizadas”, admite Ramiro de Almeida.
 
A experiência foi realizada em câmaras microfluídicas, constituídas por uma placa à base de silicone com dois compartimentos unidos por túneis longos e estreitos, onde foram colocados os neurónios, tendo sido observado o seu crescimento quando atravessaram os túneis e atingiram o compartimento oposto, como se fossem as raízes de uma planta.
 
Fonte - http://www.alert-online.com/pt/news/health-portal/descoberta-molecula-que-aumenta-canal-de-comunicacao-entre-neuronios?utm_source=NL_NOTICIAS&utm_medium=email&utm_campaign=NL_AHP_20170717.
Obesidade infantil pode baixar esperança de vida dos portugueses

Alerta da especialista Ana Isabel Rito
A esperança de vida dos portugueses pode baixar caso nada de faça para reduzir os números da obesidade infantil, anunciou a agência Lusa.
 
O alerta veio de Ana Isabel Rito, investigadora do Instituto Ricardo Jorge e coordenadora do estudo da “Childhood Obesity Surveillance Initiative” (COSI nas suas siglas em inglês) Portugal. Foi também presidente da 3.ª Conferência Internacional de Obesidade Infantil que decorreu em Lisboa.
 
Em Portugal uma em cada três crianças tem excesso de peso. E Ana Rito falou também da preocupação que é para Portugal, país no “top five” em obesidade infantil, a par de países como Espanha, Itália, Malta ou a Grécia.
 
“Uma em cada três crianças em Portugal tem esse problema” (excesso de peso), disse, explicando que essa é uma das razões para que a conferência tenha tido lugar em Lisboa, depois de seis anos sem se realizar.
 
E para lutar contra a obesidade, afiançou, a abordagem tem de ser “multissetorial”, porque tem de envolver as famílias, as escolas, as comunidades e as políticas locais e regionais.
 
Para a situação a que se chegou a especialista responsabiliza a mudança nutricional que aconteceu no país nas últimas quatro décadas e lembra que foi nesse período que se baixou a mortalidade infantil mas que se começou a morrer das doenças ligadas ao estilo de vida.
 
“Não reconhecemos mais a dieta mediterrânica nas mesas das famílias portuguesas”, lamentou, acrescentando que se o país ganhou na mortalidade infantil perdeu no estilo de vida e provavelmente vai ver reduzir a esperança de vida.
 
Baixar para 20% o número de crianças com excesso de peso (idêntico ao registado nos países nórdicos) é o objetivo, mas segundo lembrou Ana Rito para já Portugal apenas conseguiu estabilizar e não registar mais aumentos na obesidade infantil.
 
Fonte - http://www.alert-online.com/pt/news/health-portal/obesidade-infantil-pode-baixar-esperanca-de-vida-dos-portugueses?utm_source=NL_NOTICIAS&utm_medium=email&utm_campaign=NL_AHP_20170717
Radar para medir respiração à distância em desenvolvimento
Estudo conduzido pela Universidade de Aveiro
Um radar que permite medir a respiração à distância está a ser desenvolvido por uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA), anunciou a agência Lusa.
 
"O equipamento está em fase de protótipo, mas já temos alguns resultados encorajadores. Já conseguimos medir em algumas situações o ritmo respiratório", disse José Vieira, engenheiro eletrotécnico e um dos investigadores neste estudo.
 
O Bio-Radar resulta de uma colaboração entre o Instituto de Engenharia Electrónica e Telemática de Aveiro (IEETA) e o Instituto de Telecomunicações de Aveiro, duas das unidades de investigação da UA.
 
O objetivo é usar um sistema de radar para monitorizar à distância de um a dois metros os sinais biométricos de um paciente.
 
"Inicialmente, será só para medir o ritmo respiratório, mas estamos a trabalhar para que, dentro em breve, também possamos medir o ritmo cardíaco, que é um pouco mais complexo", disse José Vieira.
 
O trabalho desenvolvido pelos investigadores Daniel Malafaia, José Vieira, Ana Tomé, Pedro Pinho e pela aluna de mestrado Carolina Gouveia, funciona através do envio de uma onda rádio que é refletida pelo tórax do paciente. Este eco recebido pelo radar permite monitorizar os sinais vitais.
 
A principal característica deste tipo de equipamento é o de assegurar uma avaliação não invasiva, que permite uma medição de longa duração, sem afetar o conforto do paciente.
 
José Vieira destaca que o Bio-Radar pode ser uma mais-valia em ambiente hospitalar, nomeadamente numa unidade de queimados, porque "permite fazer a monitorização em tempo real sem colocar qualquer equipamento em contacto direto com o paciente".
 
Os investigadores admitem outras utilizações para o equipamento como o uso dentro de carros "para medir o nível de stress ou descontração de um condutor ou até detetar se o mesmo está perto de adormecer ao volante".
 
Juntamente com o NeuroLab da UA, os investigadores estão a avaliar também a possibilidade de o sistema ser utilizado para análise psicofisiológica e de avaliação da credibilidade de depoimentos.
 
Fonte - http://www.alert-online.com/pt/news/health-portal/radar-para-medir-respiracao-a-distancia-em-desenvolvimento?utm_source=NL_NOTICIAS&utm_medium=email&utm_campaign=NL_AHP_20170717 ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Bebés nascidos com peso elevado mais propensos a obesidade
Estudo publicado na “Pediatric Obesity”
Os bebés com peso elevado à nascença apresentam uma maior probabilidade de virem a ser crianças obesas, indicou um estudo recente.
 
Conduzido pela Faculdade de Medicina da Universidade da Virginia, EUA, o estudo teve como base a análise de dados de 10.186 crianças nascidas naquele país.
 
Foi verificado que as crianças que tinham nascido com um peso elevado, ou seja, com mais de 4,500 quilogramas, apresentavam uma propensão 69% maior de serem obesos com idade pré-escolar e até ao segundo ano de escolaridade, em comparação com crianças nascidas com o peso normal.
 
Os investigadores apuraram ainda que 23,1% das crianças nascidas com peso elevado eram obesas no segundo ano de escolaridade. Por outro lado, entre as crianças nascidas com peso normal o índice de obesidade era de 14,2% naquela idade.
 
Relativamente aos bebés nascidos prematuramente, 27,8% dos que tinham um peso elevado para a idade gestacional ao nascerem eram obesos, sendo que dos que tinham nascido com o peso esperado apenas 14,2% eram obesos. 
 
Os bebés prematuros que tinham nascido com um peso abaixo do esperado apresentavam um índice de obesidade de 28%. 
 
A equipa verificou que aquelas percentagens se mantinham mesmo após considerarem fatores como o estatuto socioeconómico das crianças.
 
Perante os resultados, os investigadores sugerem que os pediatras aconselhem os pais de bebés nascidos com um peso elevado sobre hábitos de estilo de vida que evitem que os bebés ganhem peso excessivo, como a prática de atividades físicas, menos tempo a ver televisão e adotarem uma alimentação saudável.
 
Fonte - http://www.alert-online.com/pt/news/health-portal/bebes-nascidos-com-peso-elevado-mais-propensos-a-obesidade?utm_source=NL_NOTICIAS&utm_medium=email&utm_campaign=NL_AHP_20170717ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Crescimento ósseo continua até fim da adolescência
Estudo publicado na revista “JAMA Pediatrics”
O fim da adolescência constitui um período fundamental para o desenvolvimento da densidade mineral óssea, após terminado o crescimento, apurou um novo estudo.
 
O estudo conduzido por uma equipa de investigadores do Hospital Pediátrico de Filadelfia e dos Institutos Nacionais de Saúde, EUA, teve como base a análise de uma amostra alargada com diversidade racial, de vários centros, cujos resultados reforçam a importância de os adolescentes seguirem uma alimentação equilibrada e praticarem atividades físicas.
 
Os dados que constituíram para a base do estudo foram recolhidos do Estudo da Densidade Mineral Óssea na Infância (“Bone Mineral Density in Childhood Study”), um estudo norte-americano que envolveu uma medição sofisticada dos ossos e crescimento de 2.000 crianças e adolescentes saudáveis ao longo de até sete anos, entre 2002 e 2010.
 
Os investigadores descobriram que o crescimento ósseo varia de local para local e que a densidade mineral óssea desenvolve-se a ritmos diferentes em várias partes do esqueleto. 
 
Foi também identificada uma diferença nos picos de crescimento entre pelo menos duas raças. Os adolescentes norte-americanos de origem africana apresentavam picos de crescimento mais cedo do que os norte-americanos de origem não-africana, algo que deve ser tido em consideração quando os profissionais de saúde analisam a densidade óssea dos pacientes.
 
A equipa detetou que o crescimento em altura é bastante anterior ao ganho de densidade mineral óssea, o que poderá explicar os índices elevados de fraturas nas crianças e adolescentes. Segundo os investigadores, entre 30 e 50% das crianças terão pelo menos uma fratura antes de chegarem à idade adulta.
 
Esta lacuna na densidade óssea é compensada após o final da fase de crescimento em altura.
 
Face aos resultados, os autores concluem que o fim da adolescência constitui um período ideal para intervenções a nível da saúde. 
 
“O fim da adolescência é quando alguns adolescentes adotam comportamentos de risco, tal como fumar e beber álcool, piores escolhas alimentares e menos atividade física, os quais podem afetar o desenvolvimento ósseo”, disse Shana E. McCormack, autora principal deste estudo.
 
“Este estudo demonstra que cerca de 10% da massa óssea continua a acumular depois de o adolescente atingir a sua altura de adulto”, explicou. “Esta fase é uma altura para os pais e prestadores de saúde encorajarem comportamentos saudáveis, como melhor alimentação e mais atividade física”, concluiu a autora.
 
Fonte - http://www.alert-online.com/pt/news/health-portal/crescimento-osseo-continua-ate-fim-da-adolescencia?utm_source=NL_NOTICIAS_DESTAQUES&utm_medium=email&utm_campaign=NL_AHP_20170717 ALERT Life Sciences Computing, S.A